A conservação do solo na agricultura e suas práticas
vantagens da pulverizacao seletiva com savefarm

Marketing

0

April 15, 2024

A conservação do solo na agricultura e suas práticas

A conservação do solo na agricultura se refere às ações e técnicas empregadas para proteger e preservar a camada superficial da terra, impedindo sua degradação e promovendo sua saúde e fertilidade a longo prazo.

Na agricultura, a conservação é diretamente influenciada pela rotação de culturas agrícolas, plantio direto sobre a palha, presença de cobertura vegetal, terraços, plantio em nível e uso consciente de defensivos que preservam a microbiota e aumentam a sustentabilidade do sistema.

Confira a seguir algumas práticas dessas práticas que contribuem para a preservação e proteção do solo.

 

1. Menor revolvimento no solo com plantio na palha

Um menor revolvimento do solo, promovido pelo plantio direto na palha, tem impactos extremamente positivos na conservação do solo, como a redução da erosão, a retenção de umidade e aumento da matéria orgânica do solo, fatores essenciais para altas produtividades.

Em relação à redução da erosão, isso ocorre visto que com um menor revolvimento se mantém a cobertura vegetal e a palhada na superfície, que funcionam como uma barreira natural contra a erosão causada pelo vento e pela água, preservando o solo.

Quanto à retenção de umidade, o revolvimento excessivo do solo pode destruir sua estrutura, que consiste na organização das partículas do solo em agregados, e ao se fazer isso, a capacidade de infiltração de água no solo é diminuída, gerando impactos extremamente negativos no desenvolvimento das plantas.

O menor revolvimento do solo também colabora para o aumento da matéria orgânica do solo, já que a palhada deixada na superfície do solo no plantio direto serve como matéria orgânica que gradualmente se decompõe, enriquecendo o solo com nutrientes essenciais para o crescimento das plantas. 

 

2. Plantas de cobertura

As plantas de cobertura atuam modificando a dinâmica tanto de nutrientes no solo, reciclando-os, quanto em relação à água, atenuando o impacto das enxurradas sobre o solo, protegendo-o como um filme que amortece o impacto das gotas, evitando o selamento do solo, além de diminuir a velocidade de escoamento da água que causa erosão. 

As raízes das plantas de cobertura melhoram a estrutura e agregação do solo, visto que aumenta a capacidade de retenção de água e nutrientes. Essas plantas também contribuem para a adição de matéria orgânica ao solo à medida que suas folhas e raízes se decompõem, enriquecendo-o com nutrientes essenciais para o crescimento das culturas subsequentes.

 

3. Uso moderado de defensivos

Os defensivos agrícolas, em especial os herbicidas, são essenciais para que haja um manejo adequado em relação às plantas de cobertura, visto que as mesmas devem ser controladas a fim de dar espaço para a cultura de interesse. Além disso, possuem ação primordial no controle de plantas daninhas, contribuindo para uma maior produtividade das lavouras.

No entanto, o excesso de algumas moléculas no solo interfere tanto diminuindo diretamente a produtividade das culturas de interesse, quanto fragilizando a microbiota e organismos benéficos às culturas agrícolas, o que no longo prazo compromete a sustentabilidade e a conservação do solo na agricultura, em função de que a atividade microbiana é importante para a decomposição da matéria orgânica, acarretando em diminuição da fertilidade do solo e à perda de nutrientes essenciais para o crescimento das plantas.

O uso desenfreado de defensivos tende a poluir o solo com contaminantes (metais tóxicos, como o chumbo) e comprometem a qualidade do ecossistema, e por consequência a saúde humana, por não serem digeridos por organismos vivos.

Além disso, sabe-se que o uso de defensivos gera um passivo importante que são as embalagens de produtos, estas que devem ser destinadas a pontos de coleta credenciados, a fim de evitar danos ao meio ambiente como contaminação de fontes de água e lençóis subsuperficiais. 

 

4. Pulverização Seletiva SaveFarm para conservação do solo

Quando os defensivos agrícolas são utilizados em excesso, estes tendem a gerar processos de contaminação do solo e da água. O uso inadequado, ausência de treinamento, informação, e fiscalização tendem a intensificar esses processos de contaminação ambiental. 

Uma forma altamente eficaz de reduzir os impactos adversos dos defensivos no solo é por meio de tecnologias que permitem a aplicação seletiva de insumos, direcionando-os apenas para os locais necessários. O SaveFarm é um excelente exemplo dessa abordagem eficiente.

A pulverização seletiva com o SaveFarm contribui para a conservação do solo principalmente por meio da redução do impacto ambiental negativo associado ao uso desses produtos químicos, diminuindo drasticamente a quantidade de moléculas utilizadas na mesma área, em comparação com a aplicação convencional, promovendo o controle de daninhas com um menor dispêndio de recursos e evitando a contaminação do solo.

Como a pulverização seletiva SaveFarm pulveriza apenas onde de fato existam plantas daninhas, há menor quantidade de produto interferindo na biodiversidade do solo, mantendo a sustentabilidade de microrganismos benéficos, que decompõem a matéria orgânica e promovem a ciclagem de nutrientes.

Dessa maneira, a pulverização seletiva de herbicidas é uma prática que colabora para minimizar os impactos no solo, promovendo a conservação e a sustentabilidade dos sistemas agrícolas.

Check out the latest published articles

0 Comments

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *